Acustica em casa, qual material usar?
Rodrigo Oliveira13:52:00

A Revista Dr. Faz Tudo conversou com especialistas, visitou lojas de materiais de acabamento e montou algumas dicas para diminuir, ou até mesmo zerar, os decibéis no entorno de sua casa.

Desde as opções de materiais existentes no mercado, com os prós e contras, até preços praticados.

A poluição sonora é uma das maiores vilãs da vida urbana. Engenheiros e arquitetos apontam que não bastasse interferir no humor dos moradores das grandes cidades, ela é muito difícil de ser combatida.

Isso porque, segundo os especialistas, o som se espalha na forma de ondas, que viajam não só pelo ar, mas pela água e por superfícies sólidas, o que inclui muros, paredes, lajes.

Para o arquiteto alagoano Tasso Maciel, preocupar-se com esse problema ainda na fase de construção do imóvel é essencial para obtermos um local silencioso.

Na opinião da arquiteta e decoradora paranaense Anna Flávia Bueno, que hoje trabalha na capital paulista, um dos papéis do especialista em acústica é identificar o caminho que o barulho faz para apontar como reduzi-lo.

Drywall, piso flutuante e janelas antirruídos são alguns dos recursos mais usados no mercado. Os preços são salgados, dependendo da qualidade do material.

A solução do problema começa com a análise de todos os elementos do ambiente, como tamanho, material e espessura das paredes divisórias.

A esteticista Lourdes Alves, moradora no interior de São Paulo, comprou uma casa geminada e sofre com o barulho do vizinho. Planeja uma reforma, realizando uma recomposição da parede que divide as duas casas, na tentativa de impedir o deslocamento do som de uma moradia para outra.

Anna Flávia explica que não há fórmula-padrão para solucionar esse tipo de problema. Há casos em que nem uma divisória de 40 cm de espessura é barreira suficiente, já que o barulho pode passar não somente por ali, mas também por forro, vãos e piso, avisa.

Segundo ela, quando o problema está apenas na parede, é possível melhorar o desempenho acústico revestindo-a de um sistema de drywall, que pode ser incrementado com um recheio de lã mineral de vidro ou rocha.
Fica mais caro, mas o problema tende a desaparecer completamente.

No caso da residência da Lourdes, a arquiteta sugere usar perfis de aço de 48 mm de espessura e uma única chapa de gesso, de 12,5 mm, mais o recheio de lã mineral.

Para uma parede de 10 metros quadrados, um reforço como esse custaria R$ 1,5 mil (incluindo o material e mão de obra).

Já no caso de ruídos externos, quando a casa ou algum dos cômodos dá para uma avenida movimentada, com barulhos de carros e ônibus, são usados materiais mais específicos. Nesses casos, os caixilhos (armações das janelas e portas) são os principais vilões do desconforto do morador.

Onde passa ar, passa barulho, lembra o arquiteto Maciel.
Nesses casos, ele explica que há diversas opções de caixilhos acústicos, normalmente de alumínio e compostos por vidros duplos ou triplos, que vedam muito melhor a casa do ruído externo.

As portas e janelas acústicas são as melhores soluções para esses casos. Elas têm tratamento específico e podem substituir as portas e janelas existentes. O custo é elevado, mas vale à pena investir. Com fácil sistema de instalação, elas dão um basta no barulho e deixam você descansar tranquilo no silêncio de sua
casa ou apartamento, completa Anna Flávia.

O preço do silêncio dói no bolso.

Estima-se que uma janela acústica de tamanho 1,20 m x 1,20 m, não sai por
menos de R$ 2,5 mil. O valor corresponde apenas ao material, sem incluir a mão de obra e possíveis reparos. Conforme o material escolhido, este preço pode mudar bastante, como as janelas de maior espessura isolam mais os ruídos, logicamente, são as mais caras.

A decoradora Anna Flávia acrescenta que as cortinas com forros são outro aliado do morador, pois diminuem bastante a entrada de ruído externo e melhoram a acústica interna.
Os tapetes também são recomendados em apartamentos para abafar o som dos passos e não incomodar os vizinhos de baixo.
Categoria: