Bolha imobiliária no Brasil, quando começa?

Olá, visitante. Provavelmente você tem intenção de comprar agora para morar ou investir e está receoso se aguarda a tão falada "bolha imobiliária" passar e ir embora.
Pois bem, vamos recapitular 
O QUE É UMA BOLHA IMOBILIÁRIA:
1) Aumenta a procura por imóveis e o preço sobe.
2) Aumenta o número de investidores que compram imóveis para alugar ou ganhar dinheiro.
3) Os preços começam a subir excessivamente, acima da capacidade de consumo das famílias.
4) O preço chega a um patamar insustentável, afastando potenciais compradores, que passam a considerar a hipótese de alugar imóveis. Com o preço dos imóveis cada vez mais irreal, as pessoas deixam de comprar e passam a cogitar o aluguel. Até porque passa a valer mais a pena alugar do que comprar, financeiramente falando.
5) Os preços dos aluguéis sobem pois a demanda por imóveis do tipo aumenta. Com tanta gente preferindo alugar do que comprar, o preço dos aluguéis disparam.
6) O preço dos imóveis começa a baixar como um todo devido à diminuição da procura. 
7) Há uma baixa mais expressiva nos preços dos imóveis pois os investidores começam a tentar vender os mesmos com urgência.

AONDE JÁ OCORREU:
A Espanha talvez seja o país com mais habitações vazias no mundo, habitações virgens e de famílias recém despejadas. São valores muito altos, acima dos que as pessoas podem pagar, vejamos os dados:

ESPANHA
Madri - Os preços dos imóveis da Espanha tiveram a maior queda em seis anos no primeiro trimestre, elevando preocupações de que o combalido setor bancário do país pode precisar de mais capital, apesar do resgate recebido recentemente. Foi um recuo de 14,3%, em bases anuais, após caírem 12,8% no quarto trimestre do ano passado.
O declínio dos preços dos imóveis deverá intensificar a pressão sobre os bancos espanhóis, que estão sobrecarregados com empréstimos para incorporadoras imobiliárias e já estão sendo prejudicados pela contínua depreciação dos imóveis.

ARGENTINA
Hoje, as corretoras imobiliárias locais sobrevivem, basicamente, pela assinatura de contratos de alugueis. A compra de imóveis despencou: segundo dados do Colégio de Tabeliães de Buenos Aires, no primeiro trimestre de 2013 o número de escrituras realizadas caiu 41,3%, frente ao mesmo período do ano passado. Nas melhores épocas dos últimos dez anos (desde que os Kirchner chegaram ao poder), disse a tabeliã Claudina Etchepare, eram assinadas entre três e quatro escrituras por dia. Hoje, disse ela, “algumas semanas passam em branco e muitos tabeliães estão demitindo funcionários”.

BRASIL
Sou suspeito para falar, pois sou corretor de imóveis em Cuiabá, e ainda recém formado. Mas ao pesquisar google afora, procurei ser o mais imparcial possível.
É visível o quanto os imóveis no Brasil sofreram reajustas(valorização), indo de 47,9% de agosto de 2010 a junho de 2012, de acordo com o índice FipeZAP. É visível também a dificuldade de grandes construtoras em concluir as vendas de todo seu estoque.
Pronto: valor lá em cima, lançamentos encalhados e vantagem sendo o aluguel. Calma, as bolhas mais conhecidas ocorridas até hoje tiveram inicio quando o total do crédito imobiliário superava 50% do PIB e, em alguns casos, passava de 130% do PIB. Nos EUA, em 2006, um ano antes dos preços começarem a cair, era de 79% do PIB. No Brasil, apesar de todo o crescimento dos últimos anos, esse número é hoje de 5% do PIB.
Estaríamos, então, já no item 4 do processo da bolha. Mas aqui no Brasil as coisas tendem a ser diferente, imprevisíveis, como a Revolta dos 20 centavos.

CONCLUSÃO
E agora? Como eu disse, sou suspeito para falar, mas os valores estão altos, sim, porém já estabilizando, ficando a margem da tal bolha imobiliária. Estabilizar nada tem a ver com diminuir o preço, sim em ter reajustes menores, ou simplesmente não ter por um longo período. 
Postagem com conteúdo de IstoÉ, Exame, Veja e outros.
Essa postagem tem como base o primeiro semestre de 2013.
Tags: imóveis reajustados em 2013, bolha imobiliária no brasil, mato grosso, cuiabá, imóvel cai valores.